Arquivos da ditadura e acesso à informação: acervo memória e direitos humanos da Universidade Federal de Santa Catarina

Mariela Passarin, Cezar Karpinski

Resumo


Os estudos em torno do patrimônio documental do regime militar brasileiro propiciam o direito de acesso à informação e auxiliam a preservação da memória desse período histórico. Partindo dessa compreensão, esta pesquisa tem como objetivo principal analisar, a partir do prisma da Ciência da Informação, o processo de constituição de um sistema de organização e de gestão do conhecimento de um acervo específico, ainda em construção: o de “Memória e Direitos Humanos da Universidade Federal de Santa Catarina”. A abordagem metodológica teve por base uma pesquisa qualitativa relacionada ao estudo desse acervo, e descritiva na análise da organização documental disponível no site do projeto. Como resultado parcial, o estudo mostra que a criação de um acervo digital pode permitir, além da centralização do conjunto documental, um sistema eficaz de recuperação e disponibilização da informação. Conclui-se que a abordagem relacionada ao tema informação e memória ressalta a importância da organização e gestão da informação desse acervo, no sentido de permitir a publicidade/difusão dos seus conteúdos, em sua totalidade, de maneira inteligível e transparente, possibilitando, assim, a devida problematização dessas fontes de pesquisa.
Palavras-chave: Patrimônio documental. Ditadura militar. Acesso à informação. Acervo

Texto completo:

PDF

Referências


CHOO, Chun Wei. A organização do Conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2 ed. São Paulo: SENAC, 2006.

DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da Informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. 4. ed. São Paulo: Futura, 2002.

JARDIM, José M. A invenção da memória nos arquivos públicos. Revista Ciência da Informação – vol. 25, número 2, 1995. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/03/pdf_cfb64eeaa1_0008801.pdf. Acesso em: 25 fev. 2019.

KRZYZANOWSKI, Rosaly Favero. Bibliotecas e portais de conteúdos científicos, tecnológicos e culturais: Recursos para ampliar a visibilidade da informação na web. Ciência & Ambiente, n. 40, jan./jun. 2010.

MARIZ, Anna Carla Almeida. A informação na internet: arquivos públicos brasileiros. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012, 168 p.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA. Arquivo Nacional Memórias Reveladas. Memórias em Rede. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.memoriasreveladas.gov.br/index.php/memorias-em-rede. Acesso em: 11 mar. 2019.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007. 353 p.

RODRIGUES, Georgete M. Verdade do arquivo versus autoridade do arquivo: reflexões a partir do caso Herzog. In: MÜLLER, Angélica; STAMPA, Inez T.; SANTANA, Marco Aurélio (Organizadores). Documentar a Ditadura: arquivos da repressão e da resistência. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2014.

SARACEVIC, Tefko. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.1, n.1, p. 41-62, jan./jun. 1996. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/viewFile/%20235/22. Acesso em: 20 fev. 2018.

STAMPA, Inez. Memórias Reveladas e os arquivos do período da ditadura militar. ComCiência (UNICAMP), v. 127, p. 1-8, abr. 2011. Disponível em: http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=65&id=825. Acesso em: 15 jun. 2018.

THIESEN, Icléia; COITINHO, Angélica do Carmo. BNM e BNM Digit@l: arquivo, memória e verdade – o caso Chael. In: Icléia Thiesen. (Org.). Documentos sensíveis: informação, arquivo e verdade na Ditadura de 1964. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014, v. 1.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Acervo Memória e Direitos Humanos. [Portal do] Acervo Memória e Direitos Humanos. Florianópolis, 2019. Disponível em: https://www.memoriaedireitoshumanos.ufsc.br/. Acesso em: 13 abr. 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Comissão Memória e Verdade da Universidade Federal de Santa Catarina. Relatório Final da Comissão Memória e Verdade de abril de 2018. Florianópolis: Acervo Memória e Direitos Humanos da UFSC, 2018. Disponível em: https://www.memoriaedireitoshumanos.ufsc.br/files/original/edada7bc0543da177722b82511ae93e8.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Conselho Universitário. Resolução Normativa nº 48/2014, de 16 de dezembro de 2014. Constitui a Comissão da Memória e Verdade no âmbito da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: Conselho Universitário, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/130531/Resolu%C3%A7%C3%A3o_Normativa_48-2014-Comiss%C3%A3o%20da%20mem%C3%B3ria%20e%20da%20verdade%20UFSC.pdf?sequence=1. Acesso em: 10 jan. 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Gabinete do Reitor. Portaria nº 2827/2017, de 20 de dezembro de 2017. Institui a Comissão do Acervo sobre Direitos Humanos da UFSC. Florianópolis: Gabinete do Reitor, 2017. Disponível em: http://notes.ufsc.br/aplic/portaria.nsf. Acesso em: 15 jan. 2019.






Revista Perspectivas em Ciência da Informação
Antonio Carlos, 6627 - Pampulha
31270- 901 - Belo Horizonte -MG
Brasil
Tel: 031) 3409-5227 






A revista Perspectivas em Ciência da Informação está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
       IET          IBCT - SEER Portal Scielo Capes Periodicos UFMG        Sistema de Bibliotecas UFMG