Anseios e devaneios: a memória social envolta ao progresso de legalização da maconha para fins medicinais no Brasil

Josemar da Silva Junior Elias, Bernardina Maria Juvenal Freire de Oliveira, Maria Nilza Rosa Barbosa

Resumo


Reflete sobre o histórico da criminalização do uso da maconha abordando aspectos culturais e jurídicos, através de uma linha tênue entre a informação e a memória. Aponta alguns registros de proibição da planta, pontuando como a memória social foi construída em torno de uma atmosfera proibicionista e repressiva ao uso da droga e como isso reverberou por longos anos. Frisa como a onda de proibicionismo e repressão contribuiu para a construção de uma memória social preconceituosa e descriminatória. Elenca os principais avanços advindos com a chegada do século vinte e um, e os principais marcadores históricos nesta caminhada, assim como enfatiza a mudança da conjuntura social no tocante ao seu ponto de vista em relação à questão da legalização da maconha para fins medicinais, concluindo que, é necessário ainda muita luta e resistência para que os avanços sejam realizados de modo a abranger todas as camadas sociais de forma efetiva.

Palavras-chave


Criminalização; Maconha; Avanços; Memória social

Texto completo:

PDF

Referências


AMUY, Liliane Maria Prado et al. A LEI ANTI-TÓXICOS (Nº 6.368/76): OS CRITÉRIOS CIENTÍFICOS UTILIZADOS EM SUA ELABORAÇÃO E A EXCLUSÃO DO ÁLCOOL. 2005. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado). 2005-104f.–Programa de Estudos de Pós-Graduação em História da Ciência. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

AZEVEDO NETTO, C. X. de. Informações e Memória: as relações na pesquisa. História em Reflexão, Dourados, v. 1, n. 2, p. 1 – 20, jul./dez. 2007

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BARROS, J. D. História e Memória: uma relação na confluência entre Tempo e Espaço. Mouseion, v. 3, n. 5, p. 35-67, jan./jul. 2009.

BARROS, André; PERES, Marta. Proibição da maconha no Brasil e suas raízes históricas escravocratas. Periferia, v. 3, n. 2, 2012.

BESSA, Marco Antonio. Contribuição à discussão sobre a legalização de drogas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 3, p. 632-636, 2010.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Cia. das Letras, 1994.

CANDAU, J. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2016.

DÓRIA, José Rodrigues da Costa. Os fumadores de maconha: efeitos e males do vício, in Ministério da Saúde, Serviço Nacional de Educação Sanitária, Maconha: coletânea de trabalhos brasileiros, 2. ed, Rio de Janeiro, Oficinas Gráficas do IBGE, 1958.

DIEHL, A. A. Cultura historiográfica: memória, identidade e representação. São Paulo: EDUSC, 2002.

GRINSPOON, Lester. History of cannabis as a medicine. DEA statement, prepared for DEA Administrative Law Judge hearing. Retrieved September, v. 24, p. 2013, 2005.

G1. Anvisa inclui Cannabis sativa em lista de plantas medicinais. 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/noticia/anvisa-inclui-cannabis-sativa-em-lista-de-plantas-medicinais.ghtml. Acesso em 30 ago. 2017.

IMPRENSA, Notícias STF: STF Libera “marcha da maconha. Portal STF. Publicado em: Quarta-feira, 15 de junho de 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2017.

ISRAEL-PINTO, ALEXANDRE. O uso de substâncias psicoativas: história, aprendizagem e autogoverno. 2012. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado). Maringá: Universidade Estadual de Maringá. Disponível em: http://www.ppi.uem.br/arquivos-para-links/teses-e-dissertacoes/2012/alexandre. Acesso em: 03 set. 2017.

JARDIM, J. M. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da Informação. Brasília: IBICT, v. 25, n. 2, 1995. Disponível em: http://200.20.0.78/repositorios/bitstream/handle/123456789/3249/2014_GT10-CO_07.pdf?sequence=1. Acesso em: 10 set. 2017.

JESUS, Antonio Carlos Justo de et al. LEGALIZAÇÃO DA MACONHA PARA FINS MEDICINAIS. Revista do Curso de Direito da Universidade Braz Cubas, v. 1, n. 1, 2017.

KARAM, Maria Lucia. Proibição às drogas e violação a direitos fundamentais. Rio de Janeiro, p. 580-595, 2013.

_______. Proibições, riscos, danos e enganos: as drogas tornadas ilícitas. V. 3. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

KIEPPER, André; ESHER, Ângela. A regulação da maconha no Senado Federal: uma pauta da Saúde Pública no Brasil Regulation of marijuana by the Brazilian Senate: a public health issue La regulación de la marihuana en el Senado. Cad. Saúde Pública, v. 30, n. 8, p. 1-3, 2014.

KORYTOWSKI, Ivo. Quando e por que a maconha foi proibida no Brasil? 2016. Disponível em: http://sopanomel.blogspot.com.br/2016/11/quando-foi-proibida-maconha-no-brasil.html. Acesso em 13 set. 2017.

LARANJEIRA, Ronaldo. Legalização de drogas e a saúde pública. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 621-631, 2010. Disponível em: . Acesso em12 Set. 2017.

LOUREIRO, M. L. N. M.; AZEVEDO NETTO, C.X. ; CASCARDO, A. B. S. Memória e cultura material: objetos, palavras e representações. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 15. 2014, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 2014. Disponível em: < http://enancib2014.eci.ufmg.br/documentos/anais/anais-gt10>. Acesso: 23 jan. 2015.

MONTEIRO, Marcelo. Uso medicinal da maconha no Brasil fica mais próximo. 2014. Disponível em: http://m.zerohora.com.br/288/vida-e-estilo/4503232/uso-medicinal-da-maconha-no-brasil-fica-mais-proximo. Acesso em: 10 set. 2017.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5, nº10, 1992.

SAAD, Luísa Gonçalves. "Fumo de negro": a criminalização da maconha no Brasil (c. 1890-1932). 2013. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/13691/1/DISSERTA%c3%87%c3%83O%20LUISA%20SAAD.pdf. Acesso em 10 set. 2017.

SILVA, Samuel Pereira da et al. DESCRIMINALIZAÇÃO OU LEGALIZAÇÃO DO USO DA MACONHA? E OS PROJETOS DE LEI SOBRE A MACONHA DESCRIMINALIZAR OU LEGALIZAR? Caderno de Graduação-Humanas e Sociais-FACIPE, v. 3, n. 1, p. 21-34, 2017.

SILVA, L. E. F. da; OLIVEIRA, B. J.F. de. Mnemosyneinfor-comunicativa: a possibilidade axiomática de construção de um conceito de memória para a Ciência da Informação. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.24, n.1, p. 135-143, jan./abr. 2014.

SUDRÉ, Lu. Marcha da Maconha denuncia extermínio da juventude negra. Disponível em: https://www.carosamigos.com.br/index.php/cotidiano/6794-marcha-da-maconha-denuncia-exterminio-da-juventude-negra. Acesso em: 10 set. 2017.

TRIGUEIRO, Pedro. Entorpecente e crime: apontamentos sobre a proibição da maconha no Brasil. Publicado em 26 de junho de 2015 por Revista Berro. Disponível em: http://revistaberro.com/author/revistaberro/page/21/. Acesso em 13 set. 2017.






Revista Perspectivas em Ciência da Informação
Antonio Carlos, 6627 - Pampulha
31270- 901 - Belo Horizonte -MG
Brasil
Tel: 031) 3409-5227 






A revista Perspectivas em Ciência da Informação está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
       IET          IBCT - SEER Portal Scielo Capes Periodicos UFMG        Sistema de Bibliotecas UFMG