O patrimônio digital e as memórias líquidas no espetáculo do Instagram

Stphanie Sá Leitão Grimaldi, Maria Nilza Barbosa Rosa, José Mauro Matheus Loureiro, Bernardina Freire de Oliveira

Resumo


Aborda o patrimônio digital, sua constituição na memória social de determinados grupos, sua possível constituição identitária e a razão de sua preservação e disseminação, baseada na cultura e a significação atribuídas aos patrimônios tomados pela informação digital na modernidade líquida. Tem como objetivo problematizar os limites (in)existentes para disseminação e para a preservação das informações em meio digital, com foco na salvaguarda e perpetuação da memória social dos referidos patrimônios. Circunscritos em um regime de informação singular do ambiente da cultura virtual, ou cibercultura, os patrimônios digitais, por meio da informação, atuam como um sistema condicionado e condicionante dos sujeitos contemporâneos, impondo à busca por identidade um vínculo diferente e multifacetado do ordinário. Utilizou-se da rede social Instagram como objeto de estudo e a aplicação do questionário para coletar informações sobre a utilização do Instagram para fins memoriais. Como resultado, foi identificado o impacto cotidiano da rede social Instagram nos sujeitos e suas relações, suas práticas de divulgação de espaços culturais, a intencionalidade das postagens e a constituição de suas memórias.

Palavras-chave


Memória Social; Patrimônio Digital; Cibercultura; Identidade; Instagram.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Regina. Patrimonialização das diferenças e os novos sujeitos de direito coletivo no Brasil. In: CécileTardy; Vera Dodebei. (Org.). Memória e Novos Patrimônios. 1/ed/Marseille: OpenEdition Press, v. 1, p. 67-93. 2015.

AZEVEDO NETTO, Carlos X. de. Preservação do patrimônio arqueológico: reflexões através do registro e transferência da informação. Ciência da Informação, v.37, n.3, p.7-17, 2008.

BARBOSA, Marialva. Memória e tempo: arcabouços do sentido da contemporaneidade. Ciberlegenda, n. 1, 1998.

BAUMANN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BEIGUELMAN, Giselle. Está chegando a cultura cíbrida. Revista Trópico. São Paulo, 2018. Disponível em: http://www.revistatropico.com.br/tropico/html/textos/1634,1.shl. Acesso em: 22 ago. 2019.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivo: Estudo e Reflexões. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2014.

BOSI, A. Considerações sobre o tempo e informação. Cidade do Conhecimento. São Paulo: USP, 1995.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 7ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CAPRA, Fritjof. Vivendo redes. In: DUARTE, Fábio; QUANDT, Carlos; SOUZA, Queila. O Tempo Das Redes. Editora Perspectiva, 2008.

CAPURRO, Rafael; HJORLAND, Birger. O conceito de informação. Perspect. ciênc. inf. Belo Horizonte , v. 12, n. 1, p. 148-207, Abr. 2007.

CASTELLS, Manuel. Sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

CHAGAS, Mário. Memória política e política de memória. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (orgs). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A; FAPERJ; UNI-RIO, 2003. p. 141-171.

______. Casas e portas da memória e do patrimônio. In: GONDAR, Jô; DODEBEI, Vera (Orgs). O que é memória social? Rio de Janeiro: Programa de Pós- Graduação em memória social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2005. p.115-132.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo. Estação Liberdade; Editora UNESP, 2006.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. [s.1]: Coletivo Periferia, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: esquizofrenia e capitalismo. São Paulo: Editora 34, 1995. v. 1-2.

DIEHL, Astor Antônio. Cultura historiográfica: memória, identidade e representação. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2002. 222 p. (Coleção Histórica).

DODEBEI, Vera. Patrimônio Digital Virtual: herança, documento e informação. In: 26a. Reunião Brasileira de Antropologia, 2008, Porto Seguro. Anais da 26a. Reunião Brasileira de Antropologia. São Paulo: Associação Brasileira de Antropologia, 2008. v. 1. p. 1-12.

DODEBEI, Vera. Cultura digital: novo sentido e significado de documento para a memória social? DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, v.12, n.2, abr., 2011.

DOMINGUES, Diana; VENTURELLI, Suzete. Cibercomunicação cíbrida no continuum virtualidade aumentada e realidade aumentada: era uma vez ... a realidade. ARS (São Paulo), São Paulo , v. 5, n. 10, p. 108-121, 2007 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-53202007000200011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 ago. 2019.

DUARTE, Fábio; FREI, Klaus. Redes urbanas. In: Duarte, Fábio; Quandt, Carlos; Souza, Queila. O Tempo Das Redes. Editora Perspectiva, 2008.

GALINDO, Marcos. Tecnologia & Memória. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. 50, p. 179-190, 2010.

GANTZ, John. The Diverse and Exploding Digital Universe : an Updated Forecast of the Worldwide Information Growth through 2011. International Data Corporation (IDC), 2008.

GANTZ, John; REINSEL, David. The digital universe in 2020: Big Data, nigger digital shadows, and biggest growth in the far east. IDC, New York, v. 3, Dec. 2012.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas. Tradução de Fanny Wrolbel. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GONDAR, Jô. Quatro proposições sobre memória social. In: Gondar, Josaida; Dodebei, Vera. (Org.). O que á memória social?.1ed.Rio de Janeiro: Contra-Capa, 2005, v. 1, p. 11-26.

HENRIQUES, Rosali Maria Nunes. Narrativas, patrimônio digital e preservação da memória no Facebook. Revista Observatório, v. 3, n. 4, p.123-146, ago, 2017.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico, 14. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

LAZZARIN, Fabiana; AZEVEDO NETTO, Carlos Xavier; SOUSA, Marckson Roberto. Informação, memória e ciberespaço: considerações preliminares no campo da Ciência da Informação no Brasil. TransInformação, Campinas, v. 27, jan./abr. 2015.

LE COADIC, Yves-François. A Ciência da Informação. Tradução de Maria Yeda F. S. de Filgueiras Gomes. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 2004.

LE GOFF, Jaques. História e memória. 5.ed. Campinas: Unicamp, 2003.

LEMOS, André. Cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2002.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2007.

MARTELETO, Regina Maria. Cultura informacional: construindo o objeto informação pelo emprego dos conceitos de imaginário, instituição e campo social. Ciência da Informação, Brasília, v.24, n.1, p.89-93, jan./abr. 1995.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: Papel da memória. Campinas-SP: Pontes, 1999, p. 49-56.

MONTEIRO, Silvana; CARELLI, Ana; PICKLER, Maria Elisa. Representação e memória no ciberespaço. Ciência da Informação, Brasília, v. 35, n. 3, p. 115-123, set./dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v35n3/v35n3a11.pdf. Acesso em: 25 ago. 2017.

OLIVEIRA, Lizete Dias de. Arte Rupestre como Signo: uma abordagem semiótica do fenômeno infocomunicacional. In: Global Rock Art, 2009, São RaimundoNonato. Global Rock Art. 2009.

PINTO, Maria Manuela Gomes de Azevedo PRESERVMAP: Um roteiro da preservação na era digital. Porto: Edições Afrontamento; CETAC. Media, 2009.

SANTAELLA, Lucia. As linguagens como antídoto ao midiacentirsmo. Matrizes. São Paulo, ano 1, número 1, jul-dez., 2007, p.75-97.

SCHWARTZMAN, Simon. A redescoberta da cultura. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesps, 1997.

SIEBRA, Sandra de Albuquerque; BORBA, Vildeane da Rocha; MIRANDA, Májory Karoline Fernandes de Oliveira. Curadoria Digital: um termo interdisciplinar. Informação & Tecnologia (ITEC), Marília/João Pessoa, v.3, n.2, p.21-38, jul./dez. 2016.

SILVA, Armando Malheiro da. A Informação: da compreensão do fenómeno e construção do objeto científico. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

STUEDAHL, Dagny. Digital Cultural Heritage Engagement - A New Research Field for Ethnology.Ethnologia Scandinavica, v. 39, p. 67-81, 2009.

UNESCO.Charter on the Preservation of the Digital Heritage.2003.

Disponível em: http://portal.unesco.org/en/ev.php-URL_ID=17721&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html. Acesso em: 26 ago. 2017.

YUS RAMOS, Rafael. Temas transversais: a escola da ultramodernidade. In Patio. Revista Pedagógica. Ano 2, no. 5 maio/julho, p. 8-11, 1998.






Revista Perspectivas em Ciência da Informação
Antonio Carlos, 6627 - Pampulha
31270- 901 - Belo Horizonte -MG
Brasil
Tel: 031) 3409-5227 






A revista Perspectivas em Ciência da Informação está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
       IET          IBCT - SEER Portal Scielo Capes Periodicos UFMG        Sistema de Bibliotecas UFMG