Uso da taxonomia como ferramenta de redução da subjetividade nos processos de auditoria

José Humberto da Cruz Cunha, Rogério Henrique de Araújo Júnior

Resumo


Trata da viabilidade de elaboração de uma taxonomia de distorções contábeis como ferramenta para a redução da subjetividade nos processos de auditoria. Os riscos de distorção contábil são mapeados na literatura e então classificados na estrutura taxonômica. O caminho entre a análise desses riscos e a escolha de procedimentos de auditoria formam uma rota objetiva fundamentada por relações lógicas conceituais. Configura-se como um estudo qualitativo exploratório que tem como procedimentos metodológicos o levantamento bibliográfico e a pesquisa documental para subsidiar as análises qualitativas. A análise de conteúdo foi aplicada em documentos obtidos junto ao caso de estudo no Tribunal de Contas da União (TCU). Os resultados obtidos indicam a funcionalidade da taxonomia como instrumento auxiliar às decisões dos auditores para a escolha de procedimentos a partir da classificação de risco de distorções provenientes de erros e fraudes. Na sequência lógica desse processo ficam evidenciadas rotas objetivas caracterizadas como trilhas de auditoria, sugerindo a redução da subjetividade nas escolhas do auditor.

Palavras-chave


Linguagem documentária; Taxonomia; Recuperação da informação; Auditoria contábil; Distorção contábil; Risco.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN INSTITUTE OF CERTIFIED PUBLIC ACCOUNTANTS. Evolution of auditing: from the traditional approach to the future audit. New York: AICPA, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BOYNTON, W. C.; JOHNSON, R. N.; KELL, W. G. Auditoria. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

CASTRO, D. P. de. Auditoria, contabilidade e controle interno no setor público: integração das áreas do ciclo de gestão: contabilidade, orçamentos e auditoria e organização dos controles internos, como suporte à governança corporativa. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CHAN, R. W. The value investors: lessons from the world's top fund managers. Singapore: John Wiley & Sons, 2012.

CHANG, S. et al. The development of audit detection risk assessment system: using the fuzzy theory and audit risk model. Expert Systems with Applications, v. 35, n. 3, p. 1053-1067, oct. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTICA - CNJ. Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos do Judiciário Brasileiro MoReq-Jus. Brasília, 2009.

DAHLBERG, I. Teoria do conceito. Ciência da Informação, v.7, n.2, p.101-107, 1978. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

GOVERNMENT ACCOUTABILITY OFFICE - GAO. Content analysis: a methodology for structuring and analyzing written material. Washington, 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2017.

GIESS, M.; McMAHON, C.; BOOKER, J. D.; STEWART, D. Application of faceted classification in the support of manufacturing process selection. Journal of Engineering Manufacture, v. 223, n. 6, p. 597-608, 2009.

GUEDES, W. ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de. O fluxo de informações na auditoria pública e a teoria Matemática da Comunicação. Encontros BIBLI, v. 19, n. 40, p.33-50, mai./ago., 2014. Disponível em: . Acesso em 10 maio 2017.

HSIAO, Y. An audit-based prediction model for aviation maintenance safety. New York: Faculty of the Graduate School of the University at Buffalo, 2011. (Tese de Doutorado).

LONGO, C. G. Manual de auditoria e revisão das demonstrações financeiras: novas normas brasileiras e internacionais de auditoria. São Paulo: Atlas, 2011.

LOUGHRAN, Marie. Auditing for Dummies. Hoboken: Wiley, 2010.

MILNE, C. Taxonomy development: assessing the merits of contextual classification. Records Management Journal, vol. 17, n. 1, p. 7-16, 2007. Disponível em: . Acesso em 12 maio 2017.

MUELLER, S. P. M. Métodos para pesquisa em ciência da informação. Brasília: Thesaurus, 2007.

RANGANATHAN, S. R. Colon classification: basic classification. Bangalore: Ess Ess Publications, 2006.

SOUSA, R. T. B. de.; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de. A classificação e a taxonomia com instrumentos efetivos para a recuperação da informação arquivística. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 41, n. 1, p.148-160, jan./abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2017.

VICKERY, B. C. Faceted classification: a guide to construction and use of special schemes. Londres: Aslib, 1960.

VITAL, L. P.; CAFÉ, L. M. A. Práticas de elaboração de taxonomias: análise e recomendações. VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Salvador: VIII ENANCIB, 2007. Disponível em: . Acesso em 25 abr. 2017.

VOGEL, M. J. M. Taxonomia: produto ou processo? Biblioteca Terra Fórum Consultores, 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2017.

WALDEN, C. T. A taxonomy based assessment methodology for small and medium size manufacturers. Starkville: Faculty of Mississippi State University, Mississippi State University, 2007. (Tese de Doutorado).






Revista Perspectivas em Ciência da Informação
Antonio Carlos, 6627 - Pampulha
31270- 901 - Belo Horizonte -MG
Brasil
Tel: 031) 3409-5227 






A revista Perspectivas em Ciência da Informação está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
       IET          IBCT - SEER Portal Scielo Capes Periodicos UFMG        Sistema de Bibliotecas UFMG