Youtube nas bibliotecas universitárias brasileiras: quem, como e para o que é utilizado

Enrique Muriel-Torrado, Marcio Gonçalves

Resumo


Apresenta o uso da mídia social YouTube como plataforma capaz de servir às atividades do profissional de ciência da informação e de biblioteconomia. Relaciona as práticas audiovisuais de bibliotecas que promovem ações e coloca em questão a importância do bibliotecário como produtor de conteúdo em ambiente digital. Os resultados da pesquisa servem como material referencial para profissionais de informação e gestores de unidades de informação que queiram investir no compartilhamento da informação em ambiente digital como forma de relacionamento com os públicos de interesse da organização em que atuam. Conclui-se que é importante planejar as ações de comunicação em plataformas de mídias sociais de forma a que o conteúdo seja relevante para os seguidores dos canais em audiovisual produzidos pelas bibliotecas universitárias brasileiras.

Palavras-chave


Bibliotecas universitárias; Serviços on-line; Mídia social; Inovação; Vídeos

Texto completo:

PDF

Referências


BRITO, J. L.; SILVA, P. M. Ferramentas da web 2.0 em bibliotecas universitárias: um estudo de caso. Biblionline, v. 6, n. Xxxiii, p. 23–33, 2011. Disponível em: .Acessado em: 30 ago. 2016.

DIB, S. F. et al. Innovative professional practices in Library Science. 2016. Trabalho apresentado à Reunión Satélite de IFLA LAC 2016 - Futuro de las Bibliotecas: ¿Lo que va a ser el acervo y los servicios en 2030?, Ohio, 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

______. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HOLMBERG, K. et al. What is Library 2.0? Journal of Documentation, v. 65, n. 4, p. 668–681, 2009. Disponível em: . Acessado em: 29 ago. 2016.

KANTER, B.; FINE, Allison H. Mídias sociais transformadoras: ação e mudança no terceiro setor. São Paulo: Évora, 2011.

LEVACOV, M. Tornando a informação disponível: o acesso expandido e a reinvenção da biblioteca. In: MARCONDES, C. H; KURAMOTO, H.; TOUTAIN, L. B; SAYÃO, L. (Orgs.). Bibliotecas digitais: saberes e práticas. 2. ed. Salvador, BA: EDUFBA: Brasília: IBICT, 2006.

MANESS, J. M. Library 2.0 Theory: Web 2.0 and its Implications for Libraries. Webology, v. 3, n. 2, 2006. Disponível em: . Acessado em: 27 ago. 2016.

MARTEL, F. Smart: o que você não sabe sobre a internet. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

RIBEIRO, A. A. YouTube, a nova TV corporativa: o video na web como estratégia de comunicação pública e empresarial. Florianópolis: Combook, 2013.

RIBEIRO, A.; LEITE, R. S.; LOPES, H. E. G. Análise do uso das ferramentas de redes sociais em bibliotecas universitárias brasileiras. RDBCI, v. 12, n. 3, p. 5–27, 2014.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1989.

TRIPATHI, M.; KUMAR, S. Use of Web 2.0 tools in academic libraries: A reconnaissance of the international landscape. International Information and Library Review, v. 42, n. 3, p. 195–207, 2010.

VIEIRA, D. V.; BAPTISTA, S. G.; CERVERÓ, A. C. Adoção da Web 2 . 0 em bibliotecas de universidades públicas espanholas : perspectivas de interação do bibliotecário com as redes sociais. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 18, n. 2, p. 167–181, 2013.

TOMÁEL, M.I. Categorias e dimensões do compartilhamento da informação. In: TOMÁEL, M. I. (Org.). Compartilhamento da informação. Londrina: Eduel, 2012.

YOUTUBE. Estatísticas, [2016?]. Disponível em: . Acessado em: 30 ago. 2016






rodapé PCI
Revista Perspectivas em Ciência da Informação
Antonio Carlos, 6627 - Pampulha
31270- 901 - Belo Horizonte -MG
Brasil
Tel: (31) 3409-5227 





cc
A Revista Perspectivas em Ciência da Informação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
DOAJ           IBCT - SEERCapes       Sistema de Bibliotecas UFMG           ECI- UFMG            Periodicos UFMG       Portal Scielo