Panorama da inteligência competitiva no Brasil: os pesquisadores e a produção científica na plataforma Lattes

Roniberto Morato Amaral, Aline Grasiele Cardoso Brito, karin Gomes da Silva Rocha, Luc Marie Quoniam, Leandro Innocentini Lopes de Faria

Resumo


Com base nos desafios presentes e futuros e na importância da consolidação da profissão de inteligência competitiva (IC) no Brasil, o objetivo deste artigo foi identificar e analisar o perfil do profissional de IC, quanto à formação, atuação e produção científica no Brasil. O método de pesquisa utilizado compreendeu a análise de documentos e a bibliometria, sendo a amostra de dados composta por 1.434 currículos, 223 artigos de periódicos e 26 projetos de pesquisa em andamento, recuperados de forma automatizada junto à Plataforma Lattes, com a expressão de busca “inteligência competitiva”. Foi possível identificar o perfil de atuação e de formação acadêmica do profissional, e ainda, as principais temáticas e conceitos abordados pela produção científica brasileira em IC. Com base no referencial teórico e nos resultados alcançados conclui-se que a produção científica brasileira está concentrada no desenvolvimento teórico da IC, abordando de forma incipiente casos ilustrativos sobre a aplicação da IC. Com relação ao profissional atuante em IC, constatou-se o alto índice de profissionais com a formação de doutor e uma grande concentração desses indivíduos na região Sudeste e Sul e no ambiente das universidades.

Palavras-chave


Inteligência competitiva; profissional de IC; plataforma Lattes; produção científica

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ANALISTAS DE INTELIGENCIA

COMPETITIVA. Estudos de futuro: cenário sobre o futuro da inteligência competitiva no Brasil. MARCIAL, E. (ORG). Brasília, 2004.

AIKEN, M. Competitive Intelligence through neural networks. Competitive Intelligence Review. v. 10, n.1, p.49-53, 1999.

AMARAL, R. M. et al. Perfis de competências relativas à inteligência competitiva: um estudo exploratório no Brasil. Ciência da Informação, v. 40, n. 2, p.125-144, maio-ago. 2011.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BATTAGLIA, M. G. B. A Inteligência Competitiva modelando o Sistema de Informação de Clientes - Finep. Ciência da Informação, Brasília , v. 28, n. 2, p. 200-214, May 1999 . Disponível em: . Acesso em: 16 Dez. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19651999000200012.

BOUTHILLIER, F.; SHEREAR, K. Assessing competitive intelligence software: a guide to evaluating CI technology. New Jersey: Information Today, 2003, 187 p.

BRODY, R. Issues in defining competitive intelligence: an exploration. Journal of Competitive Intelligence and Management, v. 4, n. 3, p. 3-16, 2008.

CALOF, J. L. Teaching CI: opportunities and needs. Competitive Intelligence Magazine, v. 2, n. 4, p. 28-31, Oct.-Dec. 1999.

CARVALHO, K. Disseminação da informação e informação de inteligência organizacional. Datagramazero, v. 2, n. 3, jun. 2001.

COELHO, G. M. et al. Ensino e pesquisa no campo da inteligência competitiva no Brasil e a cooperação franco-brasileira. Puzzle, n. 23, ano 6, ago.-out. 2006.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro, Campus, 1998.

DILWORTH, G. Are there linkages between theories of intelligence and the practice of competitive intelligence? In: FLEISHER, C. S.; BLENKHORN, D. L. Controversies in competitive intelligence: the enduring issues. Westport: Praeger, 2003, p.243-256.

Diretório de Grupos de Pesquisa. Plataforma Lattes – CNPq. Disponível em: < http://lattes.cnpq.br/web/dgp/home>. Acesso em 12 Dez. 2015.

FLEISHER, C. S.; BENSOUSSAN, B. E. (Eds.). Strategic and competitive analysis:

methods and techniques for analyzing business. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall. 2002.

FLEISHER, C.S. Are competitive intelligence practitioners professionals? In: FLEISHER, C.S.; BLENKHORN, D.L. Controversies in competitive intelligence: the enduring issues. Westport: Praeger, 2003, p.29-44.

FLEISHER, C.S.; BLENKHORN, D.L. Controversies in competitive intelligence: the enduring issues. Westport: Praeger, 2003.

FLEISHER, C. S. Competitive intelligence education: competencies, sources, and trends. The information Management Journal. P. 56-62, Mar.-Apr., 2004.

FULD, L. M. The new competitor intelligence: the complete resource for finding, analyzing, and using information about your competitors. New York: John Wiley & Sons, 1995.

GOMES, E. B. P.; BRAGA, F. R. Inteligência competitiva no Brasil: uma realidade corporativa. PUZZLE, v. 6, n. 23, p. 5-10, ago.-out. 2006.

GEPHI. Gephi: makes graphs handy. Disponível em: . Acesso em: 31 ago. 2015.

GILAD, B. CI education: Harvard style. Competitive Intelligence Magazine. v. 6, n.4, July.-Aug. 2003.

GOMES, E.; BRAGA, F. Construção de um sistema de inteligência competitiva. In: STAREC, C.; GOMES, E.; BEZERRA, J. (Org.). Gestão Estratégica de Informação e Inteligência Competitiva. São Paulo : Saraiva, 2006. p. 111-123.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. The core competence of the corporation. Havard Business Review, v.68, n.3, p.79-91, May-June 1990.

HERRING, J. P. World-class intelligence programs. Competitive Intelligence Magazine. Washington, v. 9, n. 3, p. 20-25, May.-Jun. 2006.

KATZ, R. L. Skills of an effective administrator. Harvard Business Review, n. 52, p. 90-102, Sept./Oct. 1974.

KOLB, G. Educated professionals. Competitive Intelligence Magazine, v. 2, n. 4, Oct.-Dec. 1999.

LAHEY, R. What types of people perform competitive intelligence best? In:

FLEISHER, C. S.; BLENKHORN, D. L. Controversies in competitive intelligence: the enduring issues. Westport: Praeger, 2003, p.243-256.

LATTES. Plataforma Lattes. Disponível em:. Acesso em: 22 maio 2015.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Methodological procedures in the construction of scientific knowledge: bibliographic research. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 10, n. spe, 2007 .

LUDKE, M.; ANDRE, M. E. D. A. A pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARCIAL, C. E.; ORNELAS, A. C. A interdisciplinaridade da atividade de inteligência competitiva: análise do currículo Lattes. In: XXXI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007. 10 p.

MENA-CHALCO, J. P.; CESAR-JR, R. M. Scriptlattes: an open-source knowledge extraction sytem from the lattes plataform. Journal of the Brazilian Computer Society, v. 15, n. 4, p. 31–39, 2009.

MENEZES, E. M. Inteligência competitiva: uma revisão de literatura. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, v. 3, n. 1, jul./dez. 2005.

MERRIT, C. CI and higher education dilemma. Intelligence Competitive Magazine, v. 2, n. 4, Oct.-Dec. 1999.

MILANEZ, D. H. et al . Análise de bases de dados e termos de busca para estudos bibliométricos e monitoramento científico em nanocelulose. Em Questão, v. 20, p. 114-133, 2014.

MILLER, J. P. O nascimento e o crescimento do seu processo de inteligência: fatores comportamentais, culturais e estruturais. In: MILLER, J. P. (Org.). O milênio da inteligência competitiva. São Paulo: Bookman, 2002. p. 53-65.

MILLER, J. P. Skills and training for intelligence. In: FULD, L. M.; MILLER, J. P. Millennium intelligence: understanding and conducting competitive intelligence in the digital age. New Jersey: Cyber Age Books, 2000.

MILLER, J. P. Educational programs for intelligence professionals. Library Trends. v. 43, n. 2, p. 253-263. 1994.

NIT - NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA EM MATERIAIS. Manual de

Inteligência competitiva. 2004. 80 p. (publicação interna).

OLIVEIRA FILHO, R. S. et al. Fomento à publicação científica e proteção do conhecimento científico. Acta Cirúrgica Brasileira, 20 (2 suplemento), p.35-39, jan. 2005.

PAINEL LATTES. Estatísticas da base de currículos da Plataforma Lattes. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2014.

PORTER, M. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PRESCOTT, J. The CI professionals´competency framework. Magazine Competitive Intelligence, v. 12, n. 1, p. 23-26, 2009.

QUONIAM, L. et al. Intelligence obtained with the application of data mining

analysing the French DocThéses on subjects about Brazil. Ciência da Informação. v. 30, n. 2, p.20-28, May.-Aug. 2001.

SCIP - SOCIETY OF COMPETITIVE INTELLIGENCE PROFESSIONALS. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2015.

SÁ-SILVA, J.R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais. v. 1, n. 1, julho 2009.

SAWKA, K. The analyst’s corner: training intelligence analysts. Competitive Intelligence Magazine. v. 2, n. 2, Apr.-June 1999.

SILVA, F. M.; SMIT, J. W. Organização da informação em sistemas eletrônicos abertos de informação científica e tecnológica: análise da plataforma lattes. Perspectiva em Ciência da Informação [on line], v. 14, n. 1, p. 77–98, 2009.

STEFÁNIKOVÁA, L; MASÁROVAA, G. The need of complex competitive intelligence. Procedia - Social and Behavioral Sciences. n. 110, p. 669– 677, 2014.

TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora da UnB, 2001. 344 p.

TENOPIR, C.; KING, D. W. A importância dos periódicos para o trabalho científico. Revista de Biblioteconomia de Brasília. v. 25, n.1, p.15-26, 2001.

VANTAGEPOINT. About the VantagePoint. Disponível em:. Acesso em: 08 ago. 2015.

VARGAS, L. M; SOUZA, R. F. O ator de inteligência competitiva (IC) nas empresas: habilidades profissionais e exigências do mercado. REAd [Edição Especial]. v. 7, n. 6, nov/dez 2001. Edição Especial.






ISSN 1981-5344 (Online)
rodapé PCI
Revista Perspectivas em Ciência da Informação
Antonio Carlos, 6627 - Pampulha
31270- 901 - Belo Horizonte -MG
Brasil
Tel: (31) 3409-5227 





cc
A Revista Perspectivas em Ciência da Informação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
       IET          IBCT - SEERweb of scence

Capes        Sistema de Bibliotecas UFMG           ECI- UFMG            Periodicos UFMG       Portal Scielo