Padrão de metadados no domínio museológico

Fábio Rogério Batista Lima, Plácida Leopoldina V. A. C. Santos, José Eduardo Santarém Segundo

Resumo


É no ambiente Web que os museus estão tornando acessíveis, de forma digital, grande parte das informações sobre seu acervo. No entanto, essas informações estão sendo disponibilizadas de forma não estruturada. Isso dificulta a troca de dados, a comunicação e a interoperabilidade entre sistemas de museus, que necessitam de padrões de metadados adequados para gerenciar e disponibilizar informações vinculadas a seus acervos. A questão de investigação é: como os padrões de metadados podem contribuir para os museus de arte? O estudo é de caráter teórico de nível descritivo e exploratório. O resultado da análise demonstrou que nos museus de arte brasileiros não são utilizados padrões de metadados, e tampouco há literatura nacional que aborde esse tema. Contudo, em alguns países utiliza-se alguns padrões destinados ao universo museológico, dentre os quais o mais adequado para a catalogação de obras de arte no ambiente digital é o VRA Core.

Palavras-chave


Padrão de metadados para obras de arte. VRA Core. Acervo digital. Museu no ambiente Web.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. C. V. Metadados como elementos do processo de catalogação. 2010. 132 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2014.

BACA, Murtha. Introduction to Metadata: Pathways to Digital Information Getty Information Institute. 1998

Disponivel em: http://www.getty.edu/research/conducting_research/standards/

intrometadata/index.html

BERNERS-LEE, T.; LASSILA, Ora; HENDLER, James. The semantic web. Scientific America, Maio 2001. Disponível em: . Acesso em:

BERTOLETTI-DE-MARCHI, A. C., COSTA, A. C. da Rocha.Uma proposta de padrão de metadados para objetos de aprendizagem de museus de ciências e tecnologia. Disponível em: http://www.cinted.ufrgs.br/ciclo3/af/02-umaproposta.pdf

EUROPEANA. Europeana Data Model – Mapping Guidelines v2.2. Disponível em: < http://pro.europeana.eu/files/Europeana_Professional/Share_your_data/Technical_requirements/EDM_Documentation/EDM_Mapping_Guidelines_v2.2.pdf>. Acesso em: 05 Jul. 2015.

FERREZ, Helena Dodd. Documentação museológica: teoria para uma boa prática. In: FÓRUM NORDESTINO DE MUSEU, 4., Recife. Trabalhos apresentados. Recife: IBPC/Fundação Joaquim Nabuco, 1991. Disponível em:

. Acesso em: 13 dez. 2006.

ISAAC, Antoine; CLAYPHAN, Robina; HASLHOFER, Bernhard - Europeana: moving to Linked Open Data. ISQ Information Standards Quarterly. v.42, n.2/3, 2012. Disponível em: http://www.niso.org/apps/group_public/download.php/9407/IP_Isaac-etal_Europeana_isqv24no2-3.pdf. Acesso em: 06 Jul. 2015.

MILLER, S. METADATA FOR DIGITAL COLLECTION: a how-to-do-it manual. New York; London: Neal-Schuman Publishers, Inc., 2004.

NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION. Understanding Metadata. Bethesda, MD: NISO Press, 2004.Disponível em:http://www.niso.org/publications/press/UnderstandingMetadata.pdf

YASSUDA, S. N. Documentação museológica : uma reflexão sobre o tratamento descritivo do objeto no Museu Paulista. 2009. 180 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2009.

ZENG, M. L.; QIN, J. Metadata. New York: Neal-Schuman Publishers, 2008.






Revista Perspectivas em Ciência da Informação
Antonio Carlos, 6627 - Pampulha
31270- 901 - Belo Horizonte -MG
Brasil
Tel: 031) 3409-5227 






A revista Perspectivas em Ciência da Informação está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
       IET          IBCT - SEER Portal Scielo Capes Periodicos UFMG        Sistema de Bibliotecas UFMG