A importância das primeiras tipografias no Brasil para a construção da memória e do patrimônio social

Hector Oliveira, Ismael Farias, Débora Vilar Melo, Vibio Silva

Resumo


Pretende-se apresentar um panorama político e social de como se desenvolveu a história da comunicação, no Brasil com foco a partir da introdução da tipografia e dos jornais. Informa sobre a história da inauguração da imprensa no Brasil, como se deu a sua implantação e seu desenvolvimento, a partir, do 1º Império. Descreve os fatores socioculturais e econômicos da infiltração e desenvolvimento da tipografia; as formas de controle administrativo e a censura na implantação da Imprensa Régia no Rio de Janeiro, quais as pessoas que compunham esse setor responsável, nomeados por D. João VI. Comunica que a primeira tipografia particular foi instalada em Salvador por Manoel Antônio da Silva Serva; conta uma parte de sua biografia. Relata que com a implantação da Imprensa Régia, surge o primeiro periódico; comenta sobre sua periodicidade e as outras publicações que lhe seguiram. Relata o surgimento e formação dos espaços de leitura no país; contando um pouco da história do periodismo, até o final do século XIX. Através de uma pesquisa bibliográfica na literatura da História do Livro, conclui-se que foi de extrema relevância, o pioneirismo de Hipólito da Costa, Manuel da Silva Serva, e D. João VI, na história da imprensa no Brasil; contribuindo para a construção da memória social do Brasil.

Palavras-Chave: Memória – patrimônio social; Brasil -Tipografia; História dos periódicos – Brasil.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
A revista Múltiplos Olhares em Ciência da Informação está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.